Autoridades temem que o balanço de vítimas aumente até o fim deste domingo (4). Algumas regiões registraram o equivalente a três meses de chuva em apenas 10 horas.

Cerca de mil bombeiros estão mobilizados neste domingo (4) na região dos Alpes-Marítimos, sudeste da França, onde a tempestade Alex deixou um cenário de devastação. Ao menos 18 pessoas continuam desaparecidas, de acordo com o último balanço oficial. A Itália contabiliza três mortos e dois desaparecidos.

Impaciência e preocupação são os sentimentos relatados por Thierry, pai de família de Saint-Martin-du-Var, no sudeste da França. Na madrugada de sábado (3), a tempestade Alex passou pelo local, devastando a cidade. Casas inteiras e estradas foram arrastadas por uma onda de lama, deixando vários municípios isolados. Thierry não estava na cidade, para aonde tenta voltar a qualquer custo para encontrar a esposa e os filhos, com quem não tem contato desde ontem.

"Parece que a antena da rede telefônica caiu. Não tenho nenhuma notícia, seja pela internet ou por telefone. O que devo fazer? A única coisa que eu posso fazer é esperar", diz ele à RFI.

Uma espera que pode durar muito tempo porque as estradas estão bloqueadas pelos escombros e pelo mar de lama, muitas foram completamente destruídas pelas chuvas. Caminhões tentam a todo custo passar levando profissionais e equipamento para abrir os caminhos. Em muitas cidades, não há energia elétrica e nem água.


Enquanto isso, muitos moradores buscam caminhos alternativos. É o caso de David: "Segundo o GPS, devo fazer um contorno de toda a região e vou demorar quatro horas de carro para chegar. Normalmente, eu levo 15 minutos. A polícia disse que hoje não será possível chegar facilmente. Se eu quiser ver minha mulher, meus filhos e avaliar os estragos na minha casa, essa volta é a única forma", explica.

Dois mortos e 21 pessoas salvas

Na Itália, três pessoas, entre elas, um bombeiro, foram encontradas mortas nas inundações na fronteira com a França. Na noite de sábado, 21 pessoas que estavam desaparecidas foram socorridas pelas autoridades italianas na parte francesa dos Alpes. Na manhã deste domingo (4), um policial francês que estava sendo procurado foi encontrado são e salvo.

De acordo com o último relatório das autoridades, 18 pessoas continuam desaparecidas na França desde a madrugada de sábado. "Não temos notícias sobre esses cidadãos", indicou o primeiro-ministro francês, Jean Castex, em Nice, no sudeste do país, para aonde viajou para acompanhar os trabalhos de resgate.

As autoridades temem que o balanço de vítimas aumente nas próximas horas. Os socorristas ainda não conseguiram chegar a vários municípios, inacessíveis e isolados. No sábado, equipes de resgate conseguiram salvar 140 pessoas por helicóptero. O exército foi mobilizado para tentar levar medicamentos e água a muitos moradores bloqueados e incomunicáveis devido à queda da rede telefônica.

"As buscas continuam, à medida que os locais isolados são identificados", afirmou um porta-voz dos bombeiros dos Alpes-Marítimos. "É preciso abrir as estradas para que os socorristas possam trabalhar", reiterou.

A tempestade Alex atingiu primeiramente a região da Bretanha, no noroeste da França, na quinta-feira (1°). Cerca de 6 mil residências do local permanecem sem energia elétrica. Logo depois, o fenômeno se dirigiu ao sudeste da França, onde os ventos e as chuvas se intensificaram. Segundo a Météo France, principal serviço de previsão meteorológica do país, algumas regiões registraram o equivalente a três meses de chuva em apenas 10 horas.

Via G1

Deixe seu Comentário