País é o mais afetado no mundo pela doença e vem batendo recordes diários de infecções em novembro.

Os Estados Unidos ultrapassaram nesta segunda-feira (9) a marca de 10 milhões de casos do novo coronavírus, de acordo com monitoramento feito pela Universidade Johns Hopkins. Na última semana, o país registrou recordes de casos.

Segundo a Johns Hopkins, são 10.018.278 casos confirmados e 237.742 mortes no país. No dia 30 de outubro, o país ultrapassou os 9 milhões de casos da doença.

Os EUA é o mais afetado no mundo pela doença. A Índia é o segundo país com mais casos, com mais de 8,5 milhões, seguida pelo Brasil, em terceiro, com mais de 5,6 milhões.


50 milhões de casos

O mundo também ultrapassou os 50 milhões de casos de Covid nesta segunda, segundo a Johns Hopkins. São mais de 50,4 milhões de infectados e 1,2 milhão de mortos pelo vírus.

A escalada no número de casos ocorre em meio a recordes diários nos EUA e na Rússia e à segunda onda de contágio na Europa, que voltou a adotar lockdowns em diversos países.

Veja o ranking dos países com mais casos confirmados, segundo levantamento da universidade norte-americana:

  1. Estados Unidos
  2. Índia
  3. Brasil
  4. França
  5. Rússia
  6. Espanha
  7. Argentina
  8. Reino Unido
  9. Colômbia
  10. México

‘Usem máscaras’

Joe Biden, que de acordo com as projeções venceu a eleição para presidente dos Estados Unidos, pediu em um discurso nesta segunda que a população use máscaras. Ele também afirmou que uma possível vacina contra a Covid-19 será gratuita.

Equipe de transição de Biden anuncia conselho consultivo contra Covid; brasileira está na lista

"Eu serei o presidente de todos os americanos, esta eleição acabou", disse ele, ao afirmar que é preciso ter união para derrotar o vírus. "Uma máscara não é uma declaração política, mas uma boa forma de unir o país."

No discurso, Biden ressaltou que só vai tomar posse em 20 de janeiro de 2021 como 46º presidente dos Estados Unidos. Afirmou, no entanto, que sua equipe deve "começar fazendo todo o possível para controlar a Covid-19".

 

Via G1

Deixe seu Comentário