O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas, faleceu hoje (16) às 8h20, aos 41 anos. Diagnosticado com câncer no trato digestivo, ele vinha lutando contra a doença desde 2019. Covas estava internado desde o início de maio no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

No início da semana, o prefeito licenciado havia iniciado nova fase do tratamento, combinando imunoterapia e terapia-alvo. Porém, na sexta-feira (14), ele apresentou piora e o boletim médico informou que seu quadro clínico era irreversível.  Segundo a equipe médica, Covas recebeu medicamentos analgésicos e sedativos e estava no quarto acompanhado dos familiares.

Nascido em Santos, Bruno Covas era o neto mais velho de Mario Covas, que foi prefeito e governador de São Paulo, além de senador, e desde muito cedo se viu envolvido na política. Cursou direito na Universidade de São Paulo (USP) e economia na Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Filiou-se ao PSDB em 1998 e, no ano seguinte, aos 18 anos, foi eleito Primeiro Secretário da Juventude do partido. Em 2003, ocupou a posição de presidente estadual.


Sua entrada oficial na carreira pública foi em 2004, quando se candidatou a vice-prefeito de Santos, cidade do litoral de São Paulo, na chapa de Raul Christiano. Derrotado, passou a atuar, no ano seguinte, como assessor parlamentar no gabinete da liderança tucana na Assembleia Legislativa de São Paulo. Em 2006, foi eleito deputado estadual com uma votação expressiva para a época: pouco mais de 122 mil votos. Quatro anos mais tarde, tentou a reeleição e obteve a maior votação do Estado: mais de 239 mil votos.

Em 2011, convidado por Geraldo Alckmin para assumir a Secretaria do Meio Ambiente, Bruno Covas licenciou-se do posto de deputado estadual. Em 2014, foi exonerado para disputar as eleições daquele ano e foi eleito deputado federal. Em 2016, na chapa de João Doria, passou a atuar como vice-prefeito da cidade em uma eleição vencida no primeiro turno. No início do mandato, acumulou a secretaria das Prefeituras Regionais e também da Casa Civil.

Foi relator de mais de 180 projetos de lei, entre eles, o da Nota Fiscal Paulista. Também presidiu a CPI do ECAD, foi relator da CPI da CDHU e membro da CPI da Bancoop. “Sou político sim, e me orgulho disso”, disse em mais de uma oportunidade.

Herdou o comando da cidade em 2018, quando João Doria renunciou para se candidatar ao governo. Após 15 meses como prefeito, Doria confirmou que estava deixando o cargo, mas afirmou que a cidade de São Paulo ganharia um novo gestor com Covas. Com essa manobra, o político se tornou o mais jovem a comandar a cidade em sua história.


Veja o boletim médico na íntegra:


“O Prefeito de São Paulo Bruno Covas faleceu hoje às 08:20 em decorrência de um câncer da transição esôfago gástrica, com metástase ao diagnóstico, e suas complicações após longo período de tratamento.

Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio, sob os cuidados das equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. Raul Cutait e Prof. Dr. Roberto Kalil.”


Dr. Luiz Francisco Cardoso

Diretor de Governança Clínica


Dr. Ângelo Fernandez

Diretor Clínico


Fonte: Forbes

Deixe seu Comentário